Seguro viagem ficará mais completo com a nova regulamentação

Entenda o que muda com a nova regulamentação de cobertura de seguro viagem.

Seguro viagem ficará mais completo com a nova regulamentação

Fonte: www.marceloabdon.com.br

A lista de coberturas à assistência viagem passará a ser mais completa e também poderá vir a ser mais cara, conforme a norma 315 do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), devido a uma nova regulamentação sobre o seguro viagem.

COTE SEU SEGURO VIAGEM COM 10 OPERADORAS

Qual é o seu destino de viagem?

Solicitar

Esta norma era para ter entrado em vigor no dia 25 de setembro de 2015, porém a Susep (Superintendência de Seguros Privados) acabou adiando por mais 180 dias a nova regulamentação para que as seguradoras pudessem se adaptar às novas regras sobre o seguro viagem.

As novas regras para o seguro viagem foram publicadas no ano passado, no dia 25 de setembro, quando a Susep concedeu um prazo de 1 ano para que as seguradoras se adaptassem às novas regras. De acordo com a autarquia, o prazo foi adiado devido a um pedido das companhias que alegaram necessitar de um prazo maior para fazer a adequação.

Mas é importante que as empresas de seguros de viagem saiba que durante esse mesmo prazo, a contratação ou mesmo renovação de um plano de seguro viagem estará proibida se não estiver adaptada à Resolução.

Nova regulamentação para o seguro viagem

A assistência viagem é uma proteção ao viajante tanto para viagens nacionais quanto internacionais, onde ele pode contar com coberturas para o caso de precisar de assistência médica, odontológica, jurídica, para perda ou cancelamento de voos, extravio de bagagens, perda ou roubo de documentos, entre outras.

Quem oferece o seguro viagem são as agências de viagens, prestadoras de serviços e também alguns cartões de crédito. Porém a cobertura varia de acordo com o tipo de contratação e plano, onde é fundamental que o viajante se atente às cláusulas do contrato para saber quais as coberturas que tem direito durante a sua viagem, onde se desejar poderá incluir mais coberturas.

O que muda com a nova regulamentação

No caso de viagens internacionais, será obrigatório que os planos de seguro viagem ofereçam coberturas para as despesas que são relacionadas ao falecimento com direito ao transporte do corpo até sua cidade de origem e ao transporte para a clínica ou hospital mais próxima.

Além disso, o segurado terá também direito ao regresso sanitário para que seja garantido o seu retorno até o local de origem da viagem ou até sua casa, usufruindo de um transporte especial para que atenda às suas necessidades, conforme o tipo de doença ou acidente que tenha sofrido. Sem contar, é claro, nas coberturas para despesas médicas, odontológicas e hospitalares.

Já no caso das viagens nacionais, o que muda é a opção de incluir coberturas para despesas com transporte de corpo, regresso sanitário e transporte médico. É importante ressaltar que antes dessas novas regras, o seguro viagem tinha como obrigatoriedade oferecer cobertura para assistência em caso de morte e invalidez por acidente, onde qualquer outra era opcional.

Entenda que algumas empresas que oferecem seguro viagem já disponibilizavam dessas coberturas, porém por não ser obrigatórias, variava conforme o plano escolhido. Agora todos os produtos são mais completos e padronizados, assim não confunde mais o segurado e este não corre o risco de ficar sem proteção em sua viagem por falta de não ter lido atentamente o seu contrato, uma vez que essas coberturas são padrão.

Por que as regras foram alteradas

As regras sofreram alteração para melhor conforto dos viajantes. Além de estarem mais padronizadas, agora o viajante conta com a possibilidade de transporte em ambulância para o seu retorno até o ponto de origem, o que antes não era obrigatório nos planos de seguro viagem e gerava muitas reclamações.

Sem contar que também se tornou obrigatório as coberturas médicas hospitalares e odontológicas para ambos os tipos de viagem, que inclui episódios de crise por doença crônica ou preexistente. Mas vale saber que a cobertura só terá validade se a crise gerar um quadro clínico de urgência ou emergência, pelo menos até que o viajante tenha condições de seguir trajeto ou voltar para sua residência.

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.